#Memória descritiva

Introdução:

A tipografia é o “conjunto de procedimentos artísticos e técnicos que abrangem as diversas etapas da produção gráfica” e para Ellen Lupton “Typography is what language looks like”.

Podemos acreditar que a tipografia despertar, em cada um de nós, sensações que são absorvidas visualmente, independemente da mensagem transmitida e que desta maneira pode por si só revelar uma mensagem.

Esta segunda proposta de trabalho da unidade curricular de Design e Comunicação Visual centra-se na temática da tipografia e infografia tipográfica. O objetivo é de entender a importância da letra como matéria de comunicação e produzir uma composição visual “apenas recorrendo a elementos tipográficos” (Post #Novo destino)

Desenvolvimento e explicação do projeto:

Para realizar este trabalho, um texto devia ser escolhido e tinha de servir de suporto para a realização da composição visual. No entanto e como explico no Post #Problemas, as minhas ideias iniciais não conseguiram ser concretizadas por falta de rigor meu. Desta maneira a composição visual apresentada só viu o dia na minha última semana de trabalho.

Tendo por suporte o poema de Lamartine, o meu projeto devia expor o tema do mar e a sua beleza do ponto de vista do autor.

Podemos analisar este meu trabalho em três partes: O fundo, a forma, o texto.

  • O fundo: A cor predominante, neste trabalho é o azul. Cor do mar e da harmonia, esta escolha foi feita a partir da descrição sagrada do autor para este elemento natural e essencial da natureza. O autor sente-se em harmonia com o mar, pois explica que se sente a ser “embalado” pela sensação das ondas. O azul também pode fazer referência ao infinito e até a solidão. O azul foi voluntariamente disposto na extremidade da imagem para dar uma sensação de ciclo repetitivo e infinito. A solidão quanto a ela, pode ser ressentida pela frieza da cor, mas tendo este texto uma conotação egoísta, dado o facto de o autor só falar dele e do mar, a solidão é necessária para poder emergir-se desse amor.
    Com o azul também encontramos um amarelo-acastanhado no centro da imagem. O amarelo é a cor da vida, pois significa luz, calor, otimismo e alegria. Esta cor é a representação visual do autor, como elemento quente e feliz por esta paixão, cercado por água. A tonalidade desta ultima não é muito viva porque a minha vontade foi transmitir movimento; movimento de uma perna nadando nesse mar de amor.
  • A forma: O texto insere-se numa forma circular para poder representar de maneira mais básica possível a partícula de H2O que constitui o mar. O mar não só é o conjunto destas partículas mas também cada uma delas que proporciona a sensação de bem-estar ao autor. Cada maravilhosa partícula concebida por Deus tem a admiração e o amor do autor.
  • O texto: Não exposto na integralidade, apenas um minúsculo fragmento apare-se visível. As palavras melhorativas desta parte foram voluntariamente colocadas em maiúsculas para poderem sobressair das outras. O tipo de letra escolhida foi a Papyrus, pois a minha vontade era de ter uma letra simples, não serifada e que desse uma sessão mítica a composição visual.

Inspirações e referências:

Para a realização deste projeto, tive a possibilidade de visualizar vários conteúdos, em formato físico como digital (Posto # Caminho árduo). Muitas vezes, para não dizer quase sempre, estava na tentação de fazer algo semelhante, mas tentei o máximo possível “inventar algo”.

Em alguns dos meus projetos falhados, tinha imagens de referência que me ajudava a reproduzir o que pretendia. O Professor Giesteira, também me aconselhou a vários momentos, dando me indicações e opiniões sobre o meu trabalho.

Recolha fotográfica:

A recolha fotografia foi feita ao longo do projeto. O meu objetivo foi captar a tipografia de marcas do nosso quotidiano que reconhecemos facilmente a partir da sua letra e cores.

Podemos organiza-las em diferentes partes: alimentar, higiene/limpeza, carros, outros. Estas “marcas-logotipos” chegaram a ser fruto de um jogo para telemóveis e até um jogo de tabuleiro. (http://logojogodasmarcas.com/)

Conclusão:

Podemos concluir por algumas reflexões que fiz com mim-mesma ao longo deste trabalho: A tipografia faz parte da nossa vida de todos os dias, é um elemento de comunicação visual a qual nos podemos identificar. Ao contrário da caligrafia que é um elemento extremamente pessoal, a tipografia pode ser um elemento a qual nos podemos associar em função das situações (agressividade, formalidade,….). Ser entendido passa pelo fundo e pela forma: a nossa mensagem é o fundo, a tipografia ela é a forma.

Daqui adiante serei muito mais atente-te a estas subtilidades que podem fazer muita diferencia, e eu própria tentarei jogar melhor com ela.

Retour à l'accueil